Manual Therapy, Posturology & Rehabilitation Journal
http://mtprehabjournal.com/article/doi/10.17784/mtprehabjournal.2014.12.176
Manual Therapy, Posturology & Rehabilitation Journal
Case & Study

Influence of physical exercise on practice standards morphofunctional, immune function and quality of elderly with aids: case study.

Araújo, Ana Paula S. de; Bertoline, Sonia Maria M. G.; Martins Junior, Joaquim; Bertolini, Dennis Armando; Gouvêa, José Alipio G.

Downloads: 0
Views: 405

Abstract

Introduction: Acquired Immunodeficiency Syndrome (AIDS) is an infectious disease caused by the human immunodeficiency virus (HIV) that causes progressive immunodeficiency virus, rendering the infected individual susceptible to opportunistic infections and diseases. Your clinical treatment is basically medicine and brings with it a number of side effects among which stands out the development of muscle fatigue, lipodystrophy and decreased quality of life. In order to improve the quality of life of people with AIDS, researchers have investigated what kind of benefits to the practice of activity can bring to these individuals. Objective: To evaluate the influence of physical activity on the morphofunctional supervised patterns, immune function and quality of life of elderly patients with AIDS. Method: A descriptive study in which volunteers participated in 4 elderly women with AIDS, who underwent a program of physical activity lasting 16 weeks. Results: The results showed that the proposed program of physical activity was beneficial to functional morphology patterns, immune function and quality of life in older study participants. Conclusion: Sixteen weeks of exercise intervention targeted to elderly patients with AIDS are beneficial, because they promote improvements in the components of morphofunctional standards, with emphasis on flexibility and muscle strength as well as possible changes in markers of immune function and quality domains of life.

Keywords

Acquired Immune Deficiency Syndrome, exercise, quality of life.

References

 


1. Nobre AQ, Cavalcanti ISC, Bernardes KO. A fisioterapia no contexto do HIV/aids. Fisioter Mov. 2008; 21(4):11-18.

2. Ceccon RF, Marisco NS. A AIDS no município de Cruz Alta, RS: o perfil da epidemia e suas características. Lecturas Educación Física y Deportes. 2011; 16(163):1-5. Disponível em:< http://www.efdeportes.com/efd156/aaids- perfil-da-epidemia.htm.> Acesso em: 05 out. 2012.

3. Silva RAR, Duarte FHS, Nelson ARC, Holanda JR. A epidemia de AIDS no Brasil: Análise do perfil Atual. Rev Enfern UFPE on line. 2013; 7(10):6039-6046. Disponível em:

4.

5. Santos FF. Immunological and virological characteristics and performance in the variables flexibility and abdominal resistence strength of HIV/aids adolescents under highly active antirretroviral therapy. Rev Bras Med Esporte. 2013; 19(1): 40-43.

6. Deresz LF, Lazzarotto AR, Manfroi WC, Gaya A, Sprinz E, Oliveira AR, et al. O estresse oxidativo e o exercício físico em indivíduos HIV positivo. Rev Bras Med Esporte. 13(4):275-279, 2007.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Recomendações para a prática de atividades físicas para pessoas vivendo com HIV e aids. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico aids/DST: até semana epidemiológica 26ª - dezembro de 2013. Brasil: Ministério da Saúde; 2013.

9. Faria JB, Seidl EMF. Religiosidade, enfrentamento e bem-estar subjetivo em pessoas vivendo com HIV/aids. Psicologia em Estudo. 2006; 11(1):155-164.

10. Juchem GMV, Lazzarotto AR. Treinamento físico na síndrome lipodistrófica: revisão sistemática. Rev Bras Med Esporte. 2010; 16(4):310-313.

11. Raso V, Casseb JSR, Duarte AJS, Greve JMA. Uma breve revisão sobre exercício físico e HIV/AIDS. Rev Bras Ci e Mov. 2007; 15(4):99-110.

12. Hawkins T. Understanding and managing the adverse effects of antiretroviral therapy. Antiviral Research. 2010; 85(1):201–209.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Recomendações para a prática de atividades físicas para pessoas vivendo com HIV e aids. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

14. Gomes RD, Borges JP, Lima DB, Farinatti PTV. Efeito do exercício físico na percepção de satisfação de vida e função imunológica em pacientes infectados pelo HIV: Ensaio clínico não randomizado. Rev Bras Fisioter. 2010; 14(5):390-395.

15. Roubenoff R, Wilson IRAB. Effect of resistance training on self-reported physical functioning in HIV infection. Med Sci Sports Exerc. 2001; 33(11):1811-1817.

16. Santos C, Silva JAF, Bittencourt G, Mota J, Navarro F. O efeito do exercício físico agudo e crônico na resposta imunológica de indivíduos portadores do HIV. RBPFEX. 2007; 1(4):01-16.

17. Soares TCM, Souza HAG, Guerra LMM, Pinto E, Milan EP, Dantas PM, et al. Morphology and biochemical markers of people living with HIV/aids undergoing a resistance exercise program: clinical series. J Sports Med Phys Fitness. 2011; 51(3):462-466.

18. Oliveira JS, Lima FL, Saldanha AAW. Qualidade de vida em pessoas com mais de 50 anos HIV+: um estudo comparativo com a população geral. DST-J Doenças Sex Transm. 2008; 1(1):179-184.

19. Enright PL, Sherrill DL. Reference equations for the six-minute walk in healthy adults. Am J Respir Crit Care Med. 1998;158(1):1384-1387.

20. OMS. Departamento de Saúde Mental e Dependência Química. WHOQOL-HIV BREF. 2002. Disponível em: http:// www.ufrgs.br/psiquiatria/psiq/whoqol_hiv_03.pdf

21. OMS. Departamento de Saúde Mental e Dependência Química. Instrumento WHOQOL-HIV - Manual do Usuário. 2002. Disponível em: http://www.ufrgs.br/psiquiatria/psiq/whoqol_hiv_01.pdf

22. Pedroso B. software Microsoft Excel – um software de ampla acessibilidade. Disponível em: http://www.brunopedroso. com.br/whoqol-hiv.htm instrumentos W.

23. Fernandes TAB, Garcia A, Trombeta JCS, Fraga GA, Vieira-Junior RC, Prestes J, et al. Efeitos do treinamento físico combinado realizado na intensidade do limiar anaeróbio sobre a composição corporal e sistema imune de sujeitos HIV+. Rev Bras Ci e Mov. 2013;21(4):5-12.

24. Pereira FLV, Galdino SÁ. Exercício Físico e aids. Pensamento Plural: Rev Científica da UNIFAE. 2010; 4(1):32-41.

25. Oliveira FSB, Alves JSA, Paes PP. O exercício físico resistido como terapia não medicamentosa em pessoas que vivem com HIV/aids e lipodistróficas. Lecturas Educación Física y Deportes. 2013; 18(181):1-5. Disponível em:< http://www.efdeportes.com/efd181/o-exercicio-fisico-resistido-em-pessoas-com-hiv-aids.htm> Acesso em: 05 jan. 2013.

26. Palermo PCG, Feijó OG. Exercício Físico e Infecção pelo HIV: atualização e recomendações. Rev Bras Fisiologia do Exercício. 2003; 2(3):221-246.

27. Leite GE, Gori RMA. Atividade física para portadores do vírus hiv: investigando a realidade Jataiense. Pensar a Prática. 2004; 7(1):11-27.

28. Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros-Neto TL. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev Bras Ciên Mov. 2000; 8 (4):21-32.

29. Freitas CC, Oliveira DM, Santos D. Efeito do exercício resistido frente ao metabolismo de lipídios durante e pós treinamento. Lecturas Educación Física y Deportes. 2013; 13(130):1-5. Disponível em:< http://www.efdeportes. com/efd130/metabolismo-de-lipidios-durante-e-pos-treinamento.htm> Acesso em: 05 jan. 2013.

30. Gomes A. Imagem Corporal na toxicodependênca e VIH/SIDA. Universidade Nova Lisboa. Tese (Doutorado em Psicologia Aplicada) Lisboa, 2006. 326 f.

31. Santos WR, Paes PP, Bueno SMV, Fernandes APM. Exercício físico como tratamento complementar na redistribuição da gordura corporal na síndrome da lipodistrofia em pessoas vivendo com HIV/aids. Estudo piloto. Lecturas Educación Física y Deportes. 2011; 16(160):1-5. Disponível em:< http://www.efdeportes.com/efd160/exercicio- fisico-em-pessoas-com-hiv-aids.htm.> Acesso em: 05 out. 2012.

32. Monteiro MF, Sobral-Filho DC. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Rev. Bras. Med Esporte. 2004; 10(6):513-516.

33. Rech V, Teixeira L, Sachetti A, Fontana C, Romano S. Pressão arterial após atividades físicas orientadas em idosos hipertensos. Saúde e Pesquisa. 2013; 6(1):75-83.

34. Pinheiro WL, Gadelha CJMU. Atividade física para indivíduos infectados pelo vírus da imunodeficiência humana: uma revisão sistemática. Lecturas Educación Física y Deportes. 2008; 18(180):1-5. Disponível em:< http://www. efdeportes.com/efd180/atividade-fisica-pelo-virus-da-imunodeficiencia.htm> Acesso em: 05 out. 2012.

35. Marin L, Campos Pinto CA, Dalmoro K. Alterações cardiorrespiratórios de idosos portadores de síndrome da imunodeficiência humana adquirida. Fisisinectus. 2013; 1(1):25-34.

36. Borges A, Zirzanowsky R, Oliveira MA. Prescrição de atividades físicas para pessoas portadoras do vírus HIV/ AIDS. Lecturas Educación Física y Deportes. 2008; 18(184):1-5. Disponível em:< http://www.efdeportes.com/ efd180/atividade-fisica-pelo-virus-da-imunodeficiencia.htm> Acesso em: 05 out. 2012.

37. Rodrigues VD, Ávila WR. Relação da atividade física sistematizada com portadores de HIV / AIDS. Lecturas Educación Física y Deportes. 2008; 13(119):1-5. Disponível em:< http://www.efdeportes.com/efd119/relacao-daatividade- fisica-sistematizada-com-portadores-de-hiv-aids.htm.> Acesso em: 05 out. 2012.

38. Rombaldi AJ, Leite CF, Santos MNS. Efeitos do Exercício Físico em Marcadores Imunológicos de Pessoas com HIV/ Aids: Estudo de Revisão. Rev Bras Ciên da Saúde. 2012; 16(2):253-258.

39. Souza PML, Jacob-Filho W, Santarém JM, Silva AR, Li HY, Burattini MN. Progressive resistance training in elderly HIV-positive patients: does it work? Clinics. 2008; 63(5):619-624.

40. Abbas Ak, Lichtman AH, Pillai S. Imunologia celular e molecular. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011. 592p.

41. Lira FS, Rosa-Neto J, Pimentel GD, Caperuto EC, Mello MT, Rodrigues B, et al. Importância dos efeitos fisiológicos do exercício na promoção da saúde. Rev Inova Saúde. 2012; 1(4):41-56.

42. Kluthcovsky ACGC, Kluthcovsky FA. O WHOQOL-bref, um instrumento para avaliar qualidade de vida: uma revisão sistemática. Rev psiquiatr Rio Gd Sul. 2009; 31(3S): 1-12.

43. Santos ECM, Franca-Junior I, Lopes F. Quality of life of people living with HIV/AIDS in São Paulo, Brazil. Rev Saúde Pública. 2007; 41(2):64-71.

 

588167d17f8c9d710a8b457b mtprehab Articles
Links & Downloads

Man. Ther., Posturology Rehabil. J.

Share this page
Page Sections